O PROJETO

As pesquisas em poéticas orais remontam ao século XIX sob a denominação de "literatura popular", "literatura oral", "literatura folclórica", entre outras.

Foram vários os pesquisadores que fizeram história ao trabalharem com a voz em sua expressão poética. Entre eles, cabe citar os americanos Milman Parry (1902-1935), Albert Lord (1912-1991), o russo Vladimir Propp (1895-1970), os ingleses Eric Havelock (1903-1988) e  Ruth Finnegan (1933) , o suíço Paul Zumthor (1915-1995), os brasileiros Sílvio Romero (1851-1914) e Câmara Cascudo (1898 -1986).

Os anos 1990 foram bastante profícuos em pesquisa sobre as poéticas orais, num território de ideias pelo qual circularam várias disciplinas das humanidades. 

No entanto, faltava a pesquisadores das poéticas orais uma ferramenta de integração que permitisse um exame mais amplo do contexto de produção acadêmica e artística. Um mecanismo de promoção do diálogo, que possibilitasse a otimização de tempo e esforços despendidos no levantamento de dados.  Com esse intuito nasce o Portal de Poéticas Orais, materialização online do projeto “Cartografia das Poéticas Orais no Brasil”: para “cartografar” quem e como se produz pesquisas em poéticas orais no País, bem como identificar as principais vertentes acadêmicas em torno do tema. Vale destacar que por “cartografia”, entende-se não um alinhamento hierárquico entre artistas ou instituições de ensino superior, mas a constituição de um mapa horizontalizado, em constante mutação, de gentes e culturas em um mesmo patamar de beleza.

Pelo portal, o internauta pode entrar em contato inaugural ou aprofundar-se na pesquisa de vídeos, entrevistas, livros, textos, imagens, gravações em áudio, assim como manter-se atualizado na agenda de eventos acadêmicos sobre as Poéticas Orais no Brasil. Para tanto, o próprio usuário é convidado a colaborar com a equipe fixa de moderadores, abastecendo o portal com informações e experiências que deseja compartilhar com os demais interessados, constituindo uma rede de sociabilidade que vivifica e extrapola os expedientes binários da Internet.

Por tempo demais, a oralidade foi sistematicamente apagada da história da Literatura e do pensamento. O Portal das Poéticas Orais é, sobretudo, uma recusa a esse ostracismo acadêmico, ao bolo do anacronismo e às lacunas entre teoria e vida. É uma aposta nos valores contemporâneos da pluralidade e da tecnologia a favor do homem.