EXPEDIENTE

O projeto Portal de Poéticas Orais possui o financiamento do CNPq e é composto pela seguinte equipe de trabalho:

Corpo docente:
FREDERICO AUGUSTO GARCIA FERNANDES (Doutor/CNPq Letras/Literatura/UEL)
EDIL SILVA COSTA (Doutora Letras/Literatura/UNEB)
JOSEBEL AKEL FARES (Doutora Letras/Literatura/UEPA)
JOSÉ GUILHERME DOS SANTOS FERNANDES (Doutor Letras/Literatura/UFPA)
EUDES FERNANDO LEITE (Doutor História/UFGD)
ANA LÚCIA LIBERATO TETTAMANZY (Doutora Letras/Literatura/UFRGS)
MARIA DO PERPÉTUO SOCORRO GALVÃO SIMÕES (Doutora/CNPq Letras/Literatura/UFPA)

Corpo Discente:
ALEXANDRE RANIERI FERREIRA (Doutorando/SEDUC-PA Letras/Literatura/UEL)
ALEXANDRE VILAS BOAS DA SILVA (Doutorando Letras/Literatura/UEL)
ANA CLAUDIA FREITAS PANTOJA (Doutorando/CAPES Letras/Literatura/UEL)
FELIPE GRÜNE EWALD (Doutorando/CAPES Letras/Literatura/UEL)
CATHARINA HELENA SALVIATTO DEPIERI (Mestranda/CAPES Letras/Literatura/UEL)
MARLI APARECIDA MIOTTI (Graduanda/IC CNPq Letras/Literatura/UEL)
THATYANA MARIAH BARTALO ATHAYDE (Graduanda/IC Fundação Araucária Letras/Lit)

Parcerias:
Grupo de Trabalho de Literatura Oral e Popular da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-
Graduação em Letras e Linguística (Anpoll)
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Universidade Federal do Pará
Instituto Sapere Aude
Universidade Federal da Grande Dourados
Universidade do Estado do Pará
Universidade do Estado da Bahia
Universidade Estadual de Londrina

Apoio Técnico e elaboração do site:

Bonarte Caiamã

Projetos de pesquisa diretamente envolvidos com o Portal:

1 Título: Acervo de Memória e Tradições Orais da Bahia (AMTRO)
Local: UNEB/Alagoinhas e cidades circunvizinhas
Início: 2005
Resumo:
Com o objetivo de registrar o estágio em que se encontra a tradição oral na região de
Alagoinhas foi criado em 1995 no Campus II / UNEB o Núcleo de Estudos da Oralidade
(NEO). Além das incursões a campo na sede do município de Alagoinhas e sua zona
rural, foram pesquisados os municípios de Inhambupe, Mata de São João, Catu, Pojuca,
Teodoro Sampaio, Irará e região metropolitana de Salvador. Como resultado da recolha
temos depoimentos, cantigas de roda, rezas, romances, provérbios, adivinhas, folguedos,
contos, causos, cantos, depoimentos e Literatura de Cordel. Esse material vem sendo
objeto de estudo para pesquisadores docentes e discentes, tanto da área de Letras como
de História e Educação, resultando em artigos e monografias. O Projeto Acervo de
Memória e Tradições Orais da Bahia pretende dar continuidade ao que vem sido
desenvolvido pelo NEO. Duas são as linhas de ação deste Projeto: 1) a ampliação do
acervo e 2) a organização do banco de dados informatizado com o material já coletado,
de modo a permitir um acesso mais amplo da comunidade acadêmica e dos interessados
de modo geral.
Dados estimados de fontes orais5: Cerca de 50 fitas digitalizadas (50 horas de gravação),
6 vídeos DVD) não editados.
Acervo fotográfico com cerca de 400 fotos

2 Título: IFNOPAP: oralidade, história e memória
Local: UFPA/Belém e cidades circunvizinhas
Início: 1993
Resumo: O Imaginário das Formas das Narrativas Orais Paraenses trata-se do maior
projeto integrado da Universidade Federal do Pará. Foi concebido no segundo semestre
de 1995, embora exista como Programa de Pesquisa desde 1993. Inciado em Belém.
Encontra-se hoje implatado em 8 campi avançados da Universidade Federal do Pará. O
grandioso acervo do projeto justifica sua existência, mas não se esgota nisso, o projeto
tem formado vários pesquisadores em nível de graduação e pós-graduação. A riqueza do
material recolhido subsidiou a criação de projetos em diferentes modalidades (extensão,
ensino e pesquisa), tornando-o um projeto integrado.
Dados estimados de fontes orais: mais de 1300 informantes (com mais de 200 h de
gravação), sendo 2540 entrevistas transcritas.
Acervo fotográfico: mais de 8.000 fotos
Acervo Áudiográfico : 5300 narrativas
Produtos: 4 curtas, vídeos ( 05 ), livros ( 17), 23 Dissertações de Mestrado ( três em
andamento), 07 Teses de Doutorado, Monografias de Especialização ( + de 60) TCCs ( +
de 70) mais ou menos em quantidades.

3 Título: Fronteiras: História, memória e representação de uma ambiência histórica.
Local: UFGD/ Dourados-MS/Ponta-Porã/Pedro Juan-Caballero
5Estes projetos encontram-se em andamento, a estimativa de fontes é com base no material já recolhido pelos
pesquisadores.
Início: 2011
Resumo: Este projeto contempla experiências vitais, de características históricas,
em âmbito fronteiriço, especificamente entre o Brasil, o Paraguai e a Bolívia. Seu
enfoque de maior expressão se dará sobre as diversas relações históricas
produzidas na Fronteira e que podem indicar os mecanismos de construção
cultural da fronteira, sob o entendimento de que linhas que buscam demarcar
diferenças são igualmente facilitadoras de formas peculiares de sociabilidades.
Considerando os aportes teórico-metodológicos da história cultural, procurar-se-á
estudar histórias de vida de migrantes e imigrantes, memórias, ações políticas e
econômicas que impliquem contatos entre os países acima mencionados e cujas
populações desde o surgimento do estado nacional, na primeira metade do
século XIX passaram a ser identificadas como nacionais de um ou outro país
integrante da fronteira. No que se refere às fontes de pesquisa, registre-se que
não existem prioridades a respeito do material a ser utilizado, embora seja
possível indicar que documentos, imagens, músicas, jornais, literatura e fontes
orais são geralmente identificadas como fontes relevantes no trabalho de história
cultural. Nesse sentido, o estudo proposto ocorrerá na direção de compreender a
fronteira enquanto fenômeno cultural e em cuja manifestação se verificam outros
eventos que delineiam os sentidos que a mesma passa a apresentar. Essa
condição é resultado de movimentos complexos que consolidam uma
representação sobre o fenômeno fronteira e em boa medida substitui o próprio
locus que se pretende explicar.
Dados estimados de fontes orais: 20 Entrevistas, com 1 hora de duração cada,
sendo todas elas com sumário. Serão extraídas narrativas de mitos e lendas para
alimentar o Portal, bem como expresses musicais.

4 Título: A vida reinventada: pressupostos teóricos para análise e criaçãode acervo de narrativas orais
Local: UFRGS/Porto Alegre
Início: 2008
Resumo: O Projeto possui uma dupla orientação: propõe-se tanto a construir
espaços de arquivamento e divulgação de narrativas orais registradas em áudio
ou em vídeo como a propor recortes teóricos e metodológicos interdisciplinares
que viabilizem o tratamento e a interpretação do material produzido. O fato de
trabalhar com esse tipo de criação demanda repensar o lugar dos estudos
literários na contemporaneidade em necessário diálogo com outras disciplinas,
linguagens e espaços sociais. O conceito que temos empregado para dar conta
dessas manifestações da voz é o de poética da oralidade. Nessa poética importa
considerar o objeto de análise como um ato de comunicação em que,
originalmente, a produção é simultânea à recepção. Importa, ainda, considerar
todos os elementos envolvidos no que chamamos de cena performática. O
registro audiovisual é o que melhor permite observar as condições de execução e
recepção da voz, bem como promover formas de circulação e recriação. As
narrativas, de acordo com a finalidade, são transcritas, editadas e analisadas
segundo, principalmente, pressupostos da teoria literária, da antropologia e da
história oral. O acervo vem sendo formado a partir de duas instâncias de
produção. A primeira remete ao registro de narrativas orais realizado por alunos
de disciplinas da Graduação e do PPG em Letras da UFRGS desde 2006,
material que recebeu catalogação e sistematização no formato do DVD (um para
cada ano de produção). A segunda contém os resultados do trabalho de campo
desenvolvido desde 2006 na Restinga, bairro da periferia de Porto Alegre/RS.
Construímos uma relação colaborativa com os narradores/moradores em todas
as fases de nossa investigação, desde o registro das conversas/escutas que
geraram cerca de 40 horas de gravação até as fases subsequentes de edição
dos vídeos e sua circulação e mobilidade em espaços virtuais e comunitários. No
caso do material produzido na Restinga, desenvolvemos uma metodologia
baseada na idéia de rede para que os materiais circulem física e simbolicamente
na comunidade. Através da exposição A via crucis da Restinga em doze
estações, montamos em espaços públicos (até o momento escolas) um conjunto
de banners, objetos, maquetes e mapa que contam um pouco da história do
bairro e de alguns de seus moradores. Cada ocorrência da exposição gera novos
registros em vídeo que também comporão o acervo e que contribuem para a
composição de uma memória em permanente processo de atualização. A
experiência de campo trouxe a convicção de que realizamos uma intervenção
posto que compartilhamos com os narradores a autoria do conhecimento
produzido, numa lógica horizontalizada e coletiva. Fomos também desafiados a
dominar tecnologias e a reconhecer outros suportes, formatos e modos de
apropriação das criações da voz humana, elementos potencializadores de
práticas sociais e cognitivas inovadoras.
Dados estimados de fontes orais: 50 horas de entrevistas
Acervo fotográfico: 300 imagens
Produtos: videos, livros.

5 Título: Leitura, Ritmo e Poesia
Local: UEL/Londrina
Início: 2005 Término: 2008
Resumo: A proposta de pesquisa deságua no estudante de escolas públicas da
periferia de Londrina, que está ligado ao movimento hip-hop e/ou que nele atue
como rapper. Temas como drogas, violência, prostituição, exploração social, com
acentuados tons políticos, às vezes, marxistas, e também um forte preconceito
contra os homossexuais são recorrentes em versos e discursos dos que integram
o movimento hip-hop londrinense. O objetivo principal deste projeto, que é
pesquisar o rapper no âmbito escolar, desdobra-se em questões mais amplas,
que tendem a estudar o movimento hip-hop a partir de uma possível inserção
política do rapper e da construção de sua identidade através da manifestação
poética que tem por princípio uma reverência ao passado e um profundo senso
agonístico de rivalidade social e verbal. Como metodologia, foram utilizadas as
técnicas de História oral para gravar entrevistas de histórias de vida e temáticas
com rappers londrinenses. Desse modo, o projeto constituiu, também, um acervo
de entrevistas que poderão ser utilizadas por pesquisadores de outras áreas do
conhecimento interessados no tema.
Em Londrina, espaço onde são estudados os rappers, o movimento hip-hop
advém da organização de grupos de dança de rua, que desde a década de 1980
promovem, em conjunto com as associações de bairro, concursos e festas. Não
é demais lembrar que, em Londrina, a escola ocupa um ponto de encontro
privilegiado entre aqueles que aderiram o movimento hip-hop. Elas adquirem no
cenário atual uma relevante importância, seja por emprestar seus espaços para
encontros dos rappers, grafiteiros e b-boys (dançarinos de break) com a
comunidade, seja por promover pequenos shows e eventos ligados à cultura hiphop.
Por isso, o grande atrativo desse projeto de pesquisa é, não apenas, a
compreensão do diálogo e do confronto que se estabelece no âmbito escolar
entre a poesia e a história oral manifestada pelos rappers, como também a
criação de canais de trocas de experiências entre as escolas e a universidade.
Dados estimados de fontes: 22 entrevistas com rappers londrinenses transcritas;
discoteca de álbuns de grupos de Londrina.

6 Título: A Cultura como Ficção: Cartografia dos Saberes Interculturais em Narrativas Da/Na Amazônia Oriental
Local: UFPA/ Bragança
Início: 2012
Resumo: O projeto tem como objetivo geral investigar a produção narrativa
escrita – crônicas literárias e de viagem, etnografias e romances – e oral – mitos,
lendas e histórias de vida – no sentido de caracterizar modos de ser e fazer –
tipos textuais referentes à descrição e dissertação/reflexão (modo de ser) e à
narração (modo de fazer) –, impressos na tessitura ficcional, e que caracterizam
o ethos da região cultural da Amazônia atlântica brasileira.
Dados estimados de fontes orais: 20 horas de entrevistas gravadas.
Acervo fotográfico: 50 fotografias digitais

Traga seu projeto: entre em contato conosco pelo próprio portal.

 

ATENÇÃO:

O conteúdo dos textos impressos, imagens, áudios  e vídeos veiculados neste Portal é de inteira responsabilidade de seus autores. O Portal de Poéticas Orais avalia os textos, imagens, áudios e vídeos do ponto de vista acadêmico e da sua importância e contribuição para os estudos da poesia oral antes de disponibilizá-los, não recaindo sobre o Portal a responsabilidade legal e jurídica dos mesmos.